Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2009

"TOY", O CÃO LIBERTÁRIO

Toy era o nome do meu primeiro cão. Fui buscá-lo ainda bébé, num cesto de verga amarrado no suporte da bicicleta, aos Gordos a casa do senhor Alcides Liberado. O preço foi, por troca directa, uma galinha.

 

A partir daí o Toy passou a ser o meu companheiro inseparável. Lembro-me que ele em bébé era muito teimoso: caminhava sempre a direito batendo por vezes com o focinho nos obstáculos mas, não recebia a pancada de borla. Voltava para trás e ia morder na peça que "se tinha atravessado" no seu caminho para se vingar.

 

O Toy foi crescendo e eu tenho tantas histórias felizes dele, que para contá-las todas, este blogue seria demasiado pequeno.

 

Em casa de meus pais sempre houve muitos animais e uns tinham mais regalias que outros também devido à sua condição "intelectual". De inverno o burro e o cão, que eram muito amigos e os mais inteligentes tinham lugar privilegiado ao sol do pátio.

 

Num solarengo dia de Dezembro, em plenas férias de Natal, fui ajudar o meu pai na poda das vinhas. Normalmente o Toy ía connosco, mas naquele dia, como o meu pai achava que eu não fazia outra coisa senão brincar com o cão e por ser necessário acabar a poda naquele dia, ficou o Toy preso à corrente separado uns bons trinta metros do burro.

 

Acabámos a poda cedo e regressámos a casa antes do anoitecer. Ao chegarmos ao rigueiro, a uns setenta metros de casa, ouvimos o barulho de um burro a zurrar e de um cão a ladrar, mas, num tom que não era habitual! Notava-se que havia ali festa. O ladrar do cão era aquele som que os cães fazem quando estão felizes e o zurrar do burro também deixava adivinhar uma grande alegria.

 

Corri a toda a velocidade para ver o que se passava e, quando abri o portão da rua deparei-me com um espectáculo que mais parecia um número de circo. O Toy e o burro, soltos, a correrem de portão a portão e quando se cruzavam, porque o cão corria mais que o burro, faziam simulações e "fintas" um ao outro e era nessa altura que soltavam os "latidos" e os "zurros".

 

Foi um espectáculo hilariante a que o meu pai e eu assistimos durante um quarto de hora, a espreitar por uma greta do portão de madeira para não estragar a festa.

 

O Toy tinha conseguido soltar-se da coleira que o prendia à corrente e, depois foi soltar o burro, roendo-lhe a corda, desafiando-o para a brincadeira.

publicado por O Contribuinte às 14:22
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. "TOY", O CÃO LIBERTÁRIO

.arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds