Quarta-feira, 10 de Junho de 2009

DIA DE PORTUGAL, DE CAMÕES E DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS

Em tempos idos, para comemorar o Dia de Portugal, a Marinha de Guerra Portuguesa enviava navios para junto das Comunidades Portuguesas (França, Alemanha, Canadá, etc.). Ao navio onde eu estava embarcado em 1979, calhou como destino a França. A navegar em pleno Golfo da Biscaia, onde o mar está quase sempre agitado, avistámos quase na linha do horizonte um objecto que parecia a asa de uma pequena avioneta. O comandante decidiu inspeccioná-lo, rebocá-lo e içá-lo no navio para posterior entrega às autoridades. O Mestre mandou arriar o bote com motor fora-de-borda para ir ao local "laçar o bicho" com um cabo de 300 metros de comprimento que seria depois passado ao cabrestante (tipo de guincho)  de ré para ser rebocado até ao navio.

 
A mim, coube-me a tarefa de guarnecer o bote com o Pereira e o Abrantes. Dos três, o Abrantes era o mais experiente. Eu era o mais inexperiente e ainda por cima estava a fazer o “baptismo” em águas internacionais e por isso, vulnerável a todo o tipo de praxes. O mar estava bravo e o bote, connosco a bordo, subia as cristas e caía nas cavas das vagas em poucos segundos, tal era a agitação!
 
Feitos ao mar, o Pereira ia desenrolando o cabo cuja extremidade tinha ficado a bordo para assim que a “avioneta” fosse "laçada" se iniciasse a manobra de recolha. Eu, nos intervalos das orações a S. Gregório (vomitar) ia pensando no modo de dar o nó no “aparelho”: se aquilo era um avião, onde raio é que eu ia passar o cabo? Certamente “aquilo” não teria nenhuma argola?! O Abrantes (o mais experiente) ao motor, ia manobrando o bote aparentando a calma de um marinheiro habituado a estas “festas”. Só que a meio do caminho, connosco a subirmos ao céu e a descermos ao inferno em segundos, por força das vagas, o Abrantes começou a gritar pela mãe. “Maldita vida! Se me apanho em terra vou-me embora desta porcaria!” – gritava ele.
 
Para mim, aquilo era conversa fiada: ele estava combinado com o Pereira, que não disse uma palavra durante toda a operação, para me “praxar”. De qualquer modo, com o colete de salvação envergado eu não teria problemas e ainda por cima a cerca de duzentos metros do navio, mesmo que não conseguisse nadar, tinha o cabo para agarrar e me aproximar de bordo – pensava eu.
 
À medida que nos aproximávamos da “avioneta” íamos tendo a sensação que, aquilo não era o que parecia. E não era efectivamente. Era uma gaivota de pedais, semi-afundada. O que ao longe parecia o extremo da asa, era a parte posterior de um dos flutuadores. Entre encontrões, subidas ao céu, descidas ao inferno e orações a S. Gregório, lá consegui com a ajuda do Pereira aplicar a “volta de fiel” à estrutura metálica que unia os dois flutuadores. Comunicámos com o navio informando-o do sucesso da operação pedindo autorização para regressar a bordo. O Abrantes continuava com as suas lamúrias. O Pereira, branco como a cal "rezava a S. Gregório" comigo. Eu, continuava desconfiado da intenção da praxe: não me aconteceu nada até agora, mas vai acontecer.
 
Mas não aconteceu. Vivi com essa dúvida até que um dia passados anos, encontrei o Abrantes em Aveiro, já “fora de perigo”. Fomos beber um copo para festejar o reencontro e voltámos à conversa sobre “a avioneta do Golfo da Biscaia”. Dizia ele: “Está calado, ó pá!… nunca tinha apanhado um cagaço tão grande!... Foi isso que me fez perder o gosto por aquela vida e vir embora”.
 
Afinal, o Abrantes não estava a brincar. Que tenha muita saúde!
 
 
publicado por O Contribuinte às 16:09
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Meow a 15 de Junho de 2009 às 21:29
História engraçada!
De Carlos Rebola a 3 de Julho de 2009 às 20:01
Pois é, há muito boa gente a pensar que ser marinheiro é só passeio e uma mulher em cada porto. Recordo-me desse episódio que contaste com a maneira própria dos marinheiros, esquecem as borrascas e tempestades e recordam bonanças e momentos safos.
Sempre que a Roberto atravessava o Golfo da Biscaia havia quem orasse a São Gregório. "Quem quer aprender a orar vá até ao mar".

Abraço
Rebola

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. LIMPAR PORTUGAL NO ZAMBUJ...

. O MALFADADO CONTENTOR DO ...

. DIA DE PORTUGAL, DE CAMÕE...

. ATENTADOS AMBIENTAIS

. ESTREIA DO "PROJECTO 25"

. O CU DO CONCELHO

. "TOY", O CÃO LIBERTÁRIO

. CASCAIS - CAIXOTES DO LIX...

. EMIGRAÇÃO CLANDESTINA E I...

.arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds